CASA CULTURAL MATA ATLÂNTICA RETOMA O CIRCUITO CINEMA POPULAR BRASILEIRO ATRAVÉS DO CINECLUBE MATA ATLÂNTICA, AGORA FUNCIONANDO NO NAVE, EM BOA ESPERANÇA DE LUMIAR

Hoje fechamos mais uma importante parceria com um velho e grande amigo da Casa Cultural Mata Atlântica, o Núcleo Ambiental de Vivência Ecológica (NAVE). 

A partir de sexta-feira, dia 03 de outubro, retornaremos com as sessões do Circuito Cinema Popular Brasileiro, associado à Mostra Cinema Popular Brasileiro, realizada há 11 anos em Lumiar e que este ano acontecerá novamente, exibindo o melhor do cinema brasileiro com entrada franca para um público diversificado. Em breve informaremos a data da Mostra Cinema Popular Brasileiro de 2014.

A programação da sessão do próximo Circuito Cinema Popular Brasileiro será divulgada ainda esta semana.

A Mostra Cinema Popular Brasileiro e o Circuito Cinema Popular Brasileiro são produzidos pela Curadoria de Cinema com o acervo da Videoteca Cinema Popular Brasileiro.

10 a 19 outubro 2012 122

Anúncios

Anima Cine Macaé divulga filmes selecionados para sua primeira edição

Festival Internacional de Cinema de Animação de Macaé acontecerá de 24 a 30 de agosto

O Anima Cine Macaé, Festival Internacional de Cinema de Animação de Macaé divulga hoje a seleção dos filmes que serão exibidos na primeira edição do festival. Segundo a curadora do Anima Cine, Leonor Bianchi, a programação foi pensada e construída em cima de uma demanda regional de contato e aproximação com o gênero. “Mesmo com os meios digitais de comunicação, muita gente no interior não conhece outro tipo de animação que não seja os desenhos da Disney e os mangás japoneses. Consideramos este aspecto e preferimos criar um panorama didático, digamos assim, para selecionar as obras. O formato pensado para esta curadoria seguiu a tendência das janelas dos festivais mais significativos de animação que existem hoje no mundo, mas não esquecemos de olhar para o nosso quintal, afinal somos interior, estamos no interior. Macaé é uma cidade transatlântica, mas aqui é interior do Brasil… Exibiremos filmes premiados em Annecy (o maior do gênero no mundo) e tantos outros que estão hoje, neste momento, sendo exibidos no Anima Mundi, o maior festival de animação do Brasil, mas também exibiremos animações locais, de gente de Macaé, a terra do pai da animação brasileira, o mote do Anima Cine Macaé, inclusive! Isso mostra a intenção da Curadoria em dialogar com as produções regionais sem desconsiderar que há uma grande escola de cinema de animação fora do Brasil. Uma escola mais antiga e que merece respeito, mas que hoje, com o acesso às ferramentas de produção de um filme animado, nada perde à criatividade dos animadores brasileiros. Alguns (muitos), inclusive, trabalham lá fora, mas assinam a realização de vários filmes como sendo feitos no Brasil. O Brasil tem se revelado um grande produtor de animação para cinema. A publicidade domina um nicho que acaba fomentando o surgimento de novos realizadores a cada dia”, comentou a curadora do festival.

Foram selecionados 32 filmes, dentre estes, três longas-metragens. A relação dos selecionados e os programas do Festival Internacional de Cinema de Animação de Macaé já está online no site www.animacinemacae.wordpress.com

Começou o IV International Uranium Film Festival Rio de Janeiro

Cinemateca do MAM recebe filmes, exposição de artes e debates com realizadores até 25 de maio

Foi aberta nesta 4a feira, na Cinemateca do MAM, o IV #UrânioemMovimento – International Uranium Film Festival/ Urânio em Movi(e)mento. As sessões de cinema, debates com realizadores, e a exposição ‘Sobreviventes’, com telas impressas, feitas pelo artista plástico argentino Claudio Gómez, montada do rol da Cinemateca do MAM, seguem até o dia 25 de maio.

Cineastas do Canadá e do Japão participam de debates após as sessões de hoje

Saiba quais são os filmes das sessões de hoje, e programe-se. A primeira sessão começa às 15h, e hoje tem debate com o cineasta Yojyu Matsubayashi, diretor do filme The Horses of Fukushima, e com a documentarista canadense Bindu Mathur, diretora do filme The Nuclear Boy Scout (O Escoteiro Nuclear).

Yoju Matsubayashi é diretor do filme ‘The Horses of Fukushima’ (Cavalos de Fukushima).
Yoju Matsubayashi é diretor do filme ‘The Horses of Fukushima’ (Cavalos de Fukushima).

O filme ‘The Horses of Fukushima’, uma produção japonesa de 2013, 64 min., enfoca a tradição milenar de criação de cavalos em Fukushima, que agora está em risco por causa do acidente nuclear. O filme será exibido hoje, na sessão das 19h. Classificação indicativa: 16 anos.

Bindu Mathur, natural do Canadá e moradora do Rio de Janeiro há oito anos, participará de dois debates sobre seu filme: um após a sessão das 15h, hoje, e outro no dia 23 de maio, 6ª feira, após a sessão das 19h. A produção do Reino Unido, 2003, 24 min. (The Nuclear Boy Scout), se passa nos EUA e conta a estória real do adolescente David Hahn, que fez um reator nuclear no quintal de casa. O filme tem classificação indicativa 10 anos.

Bindu Mathur, diretora do documentário inglês ‘The Nuclear Boy Scout’ (O Escoteiro Nuclear).
Bindu Mathur, diretora do documentário inglês ‘The Nuclear Boy Scout’ (O Escoteiro Nuclear).

A programação completa do festival e a lista de filmes com suas respectivas sinopses estão disponíveis no link http://pt.scribd.com/doc/223074157/Rio-de-Janeiro-Uranium-Film-Festival-Programacao-Maio-2014.

Participe e convide seus amigos!

O Urânio em Movi(e)mento – International Uranium Film Festival tem apoio de: Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC), Escola Técnica Estadual Adolpho Bloch, Fundação Heinrich Boell Brasil, Associação Hibakusha Brasil pela Paz, O Movimento Falso Filmes, Armazém São Thiago, Cachaça Magnífica, Bar do Mineiro e Caffè Teichner.

Veja os filmes que serão exibidos hoje:

15h

Herr Hoppe and the Nuclear Waste (Sr. Hoppe e o Lixo Nuclear) de Jan Lachauer e Thorsten Löffler, Alemanha, 2011, 4 min, animação, sem diálogo. Como se livrar de um barril de lixo nuclear? Classificação indicativa: livre.

Nuclear Winter (Inverno Nuclear) de Megan Taite, Jefferson Tolentino, Erwin Bonifacio, Robert Mullally, Shane Donohue, Jack Travers e Eimhin McNamara (diretor supervisor), Irlanda, 2012, 5 min, animação, sem diálogo. Filme criado por estudantes entre 14 e 17 anos sobre o lixo nuclear jogado no Mar Ártico. Classificação indicativa: livre.

Remote Viewing (Observação Distante) de Cris Ubermann, França, 2012, 5 min, vídeo arte, sem diálogo. Uma reflexão sobre usinas nucleares, radioatividade e o meio ambiente. Classificação indicativa: livre.

Curiosity Kills (A Curiosidade Mata) de Sander Maran, Estônia, 2012, 14 min, ficção, sem diálogo. O que acontece quando o filho de um engenheiro nuclear é curioso demais? Classificação indicativa: 12 anos. Oscar Amarelo 2013.

The Nuclear Boy Scout (O Escoteiro Nuclear) de Bindu Mathur, Reino Unido, 2003, 24 min, documentário, inglês, legenda em português. A história real do adolescente David Hahn, nos EUA, que construiu um reator nuclear em seu próprio quintal. Debate com a diretora Bindu Mathur. Classificação indicativa: 10 anos.

17h

Beyond the Cloud de Keiko Courdy, França/Japão, 2013, 94 min, documentário, japonês e francês, legenda em inglês. A vida depois do acidente nuclear em Fukushima. O perigo agora é invisível. Classificação indicativa: 12 anos.

19h

Radioactive Wolves de Klaus Feichtenberger, Austria, 2011, 52 min, documentário, alemão, legenda em inglês. Como está a situação hoje dos animais que vivem na área radioativa de Chernobyl. Classificação indicativa: 12 anos.

The Horses of Fukushima de Yojyu Matsubayashi, Japão, 2013, 64 min, documentário, japonês, legenda em inglês. A região de Fukushima tem uma tradição milenar de criação de cavalos que agora está em risco por causa do acidente nuclear. Debate com o diretor Yojyu Matsubayashi. Classificação indicativa: 16 anos

Veja a programação completa do IV International Uranium Film Festival Rio de Janeiro

http://pt.scribd.com/doc/223074157/Rio-de-Janeiro-Uranium-Film-Festival-Programacao-Maio-2014

 

 

Serviço

O que: 4ª edição do festival de cinema Urânio em Movi(e)mento/ Uranium Film Festival.

Onde: Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), Rio de Janeiro.

Quando: de 14 a 25 de maio de 2014.

Site do festival: www.uraniumfilmfestival.org

Curta a página do Urânio em Movi(e)mento no Facebook.

 

Mais informações à imprensa

Leonor Pelliccione Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

Imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

Baixe o release.

Começou o IV International Uranium Film Festival Rio de Janeiro

 

Festival de cinema Urânio em Movi(e)mento, que começa nesta quarta-feira e segue até 25 de maio na Cinemateca do MAM, recebe exposição de telas do artista plástico argentino Claudio Gómez

‘Sobreviventes’ mostra os protagonistas do filme ‘11:02 de 1945 – Retratos de Nagasaki’, de Roberto Fernández, que tem estreia mundial no festival

O artista plástico Claudio Gómez é o convidado deste ano para expor sua arte no rol da sala da Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro durante os dias do festival de cinema Urânio em Movi(e)mento/ International Uranium Film Festival, que começa nesta quarta-feira e continua até o dia 25 exibindo 63 filmes de 25 países.

Retratos de Nagasaki para Exposicao BRANCO

Em 2013, convidado pelo diretor de cinema argentino Roberto Fernández, que tem dois filmes nesta edição do festival, pintou os retratos dos protagonistas do documentário “11:02 de 1945 – Retratos de Nagasaki”. O filme, que será exibido no festival e terá a participação do diretor para um debate após a sessão, retrata a história de vida de três sobreviventes da bomba atômica jogada na cidade de Nagasaki, que atualmente moram em São Paulo. O trabalho de Claudio Gómez deu origem à exposição “Retratos de Nagasaki”. O artista plástico quer acrescentar à obra dinâmica do documentário, uma obra estática, oferecendo ao público uma visão mista e temática do relato.

Sr Ashihara para Exposicao Preto

As telas de 30 cm x 40 cm estão impressas em preto e branco sobre papel couche 270 gramas. No desenho onde estão os sobreviventes retratados juntos, o artista usou técnica mista combinando vários recursos. Sobre uma fotografia, fez traços com bico de pena nanquim, efeitos de luzes e sombras com acrílicos aquosos. Nos três desenhos com o fundo branco, optou pela técnica tradicional de traços a lápis, remarcado com bico de pena com tinta nanquim. Nos três desenhos de fundo preto, Claudio usou técnica de coloração acrílica sobre desenhos em tinta.

A Abertura da exposição ‘Sobreviventes’ será na 4ª feira, abertura do festival, 14 de maio. A estreia mundial do documentário ‘11:02 de 1945 – Retratos de Nagasaki’ será dia 23 de maio, na sessão das 15h. O diretor do documentário, Roberto Fernández, estará presente ao festival em ambas as ocasiões, dias 14 e 23 de maio, sendo que depois da exibição do dia 23, participará de um debate com o público. Roberto Fernández é argentino, diretor de cinema e mora em São Paulo. Seu trabalho como documentarista é mostrar os riscos gerados pela radioatividade, seja através de bombas atômicas, ou usinas nucleares. Trabalhou junto à Associação Hibakusha Brasil Pela Paz, para a realização dos documentários ‘08:15 de 1945’ e ‘11:02 de 1945 – Retratos de Nagasaki’. Os documentários têm como protagonistas sobreviventes das bombas atômicas jogadas pelos EUA nas cidades de Hiroshima e Nagasaki. O artista plástico Claudio Gómez estará presente no dia 23 de maio, na sessão das 15h, quando será exibido o filme que inspirou a exposição com suas telas. Os sobreviventes de Nagasaki que protagonizam o filme também participarão da sessão do filme e do debate, no dia 23 de maio.

Sobre o artista plástico Claudio GómezSr Ashihara para Exposicao BRANCO

Nascido em Buenos Aires, mora em Villa Gesell, Argentina. Na trajetória tem participação em diversas exposições, das quais destaca-se a da Casa de los sueños, onde apresentou uma obra conceitual de estilo surrealista, sobre o conto “Peldaño” de sua autoria com Gustavo Pasquinelli, utilizando tintas acrílicas e pasteis a óleo.

Em exposições coletivas, destaca-se a realizada na Escuela de cerámica de Buenos Aires. Nessa exposição, o artista apresentou o resultado de um trabalho que combinou técnicas surrealistas e impressionistas.

Como cenógrafo, criou cenografias para as peças de teatro El conventillo de la paloma, de Carlos Gorostiza, La sonrisa del mudo, de Daniel Bazán, Mi Buenos Aires borom bom bom, de Héctor Propato, entre outras.

O trabalho do artista argentino Claudio Gómez também pode ser visto nas ruas de Buenos Aires. Na capital de seu país natal pintou murais nos quais explora técnicas de relevo, texturas, dimensões e planos. No bairro da Boca, local tradicional de intelectuais e boêmios, em Buenos Aires, Claudio Gómez realizou obras com a técnica de fileteado (uma técnica própria da cidade daquela cidade, utilizada para enfeitar cartazes).

Claudio Gómez também participou como cartunista na revista “Puerto Gargajo” (“Bar el quitapenas”).

Atualmente o artista está criando as ilustrações do projeto “Territorio Nacional, cuando los primeros fueron los últimos” de Osvaldo Cascella, uma história sobre a guerra das Malvinas.

Serviço

O que: Exposição ‘Sobreviventes’, de Claudio Gómez, e estreia do documentário ‘11:02 de 1945 – Retratos de Nagasaki’, de Roberto Fernández,  durante a 4ª edição do festival de cinema Urânio em Movi(e)mento/ Uranium Film Festival.

Onde: Rol da Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), Rio de Janeiro.

Quando: 14 a 25 de maio de 2014.

Curta a página do Urânio em Movi(e)mento no Facebook.

 

Mais informações à imprensa

Leonor Pelliccione Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

Imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

Baixe o release.

ImprensaBR entrevista a documentarista Bindu Mathur, que terá seu curta ‘The Nuclear Boy Scout’ exibido na 4ª edição do Urânio em Movi(e)mento

Inédito em festivais de cinema e também no Brasil, o filme terá duas exibições no International Uranium Film Festival 2014 in Rio

O documentário inglês ‘The Nuclear Boy Scout’ (O Escoteiro Nuclear), de Bindu Mathur, (2003, 24 min, legenda em português, classificação indicativa 10 anos) está entre os destaques da 4ª edição doUrânio em Movi(e)mento. O filme se passa nos EUA e conta a estória real do adolescente David Hahn, que construiu um reator nuclear no quintal de casa. Ainda inédito no Brasil, o filme terá duas exibições no festival.

Bindu Mathur
Bindu Mathur

A ImprensaBR, assessoria de comunicação do festival entrevistou a diretora do filme, que mora no Rio de Janeiro, sobre a produção e a participação do curta-metragem no maior festival sobre radiação e energia nuclear do mundo. Bindu Mathur participará de um debate com o público do festival em dois dias: 15 e 23 de maio, 15h e 19h respectivamente. Leia mais.

ImprensaBR: De onde surgiu a ideia de realizar esse filme? Contextualize o momento em que ele foi feito (2003). O que estava acontecendo no mundo com relação às políticas nucleares mundiais e como a Inglaterra se posicionava nesse contexto.

Bindu Mathur: Encontrei a história de David Hahn em um artigo de revista no final de 1990 e imediatamente fiquei fascinado com suas experiências e métodos. Fui ao encontro dele e de sua família e tentei por anos ‘vender’ a ideia para a televisão britânica. Todo mundo estava interessado, mas viu a proposta como uma curiosidade individual que não tinha relevância para a sociedade em geral.

Depois dos ataques terroristas de 2001 nos Estados Unidos, a história de David e seu acesso fácil a materiais radioativos o tema tornou-se relevante e de interesse geral. O pensamento era: e se os terroristas construírem uma “bomba suja”? O que se pudessem ter acesso aos mesmos materiais que David teve usando seu guia de escoteiro? A história tomou um novo significado. Foi assim que ganhei a comissão  do Channel 4 no Reino Unido, em 2003.

O adolescente David Hahn construiu um reator nuclear no quintal de casa.
O adolescente David Hahn construiu um reator nuclear no quintal de casa.

ImprensaBR:  Você conheceu o menino que fez o reator? Quem era ele? Ele é vivo hoje? O que faz profissionalmente?

Bindu Mathur: Eu conheci David uma vez antes da produção e depois passei 10 dias filmando com ele. Fiquei impressionada com sua inteligência, sua criatividade e a intensidade de seus esforços. Havia algo emocionante quando ia com ele para o mercado local encontrar elementos radioativos, por exemplo. Mas ele era descuidado quanto aos perigos e, ao longo dos 10 dias de gravação, minha emoção, por vezes, se transformou em preocupação.

Ele também falou muito sobre outros experimentos em biologia. Eu não tinha ideia do que ele estava falando e simpatizei com seus amigos e familiares, que não entendiam ou estavam cientes de seus experimentos nucleares na época.

Depois eu soube que ele tinha sido diagnosticado como esquizofrênico, e, infelizmente, a sua grande inteligência e paixão pela ciência nunca foi cultivada em um ambiente universitário ou profissional.

ImprensaBR: Você é cineasta? Qual sua formação acadêmica? 

Bindu Mathur: Sou Canadense, com origem indiana. Estudei Cinema/Mídia na Concordia University, em Montreal. Trabalhei 10 anos como produtora/ diretora de documentários para televisão britânica BBC, Channel 4, para o Discovery, entre outros. Trabalhei por muitos anos fazendo programas de ciência da BBC Science e também sobre a história da ciência e fui contratada pela BAFTA – British Academy of Film and Television Arts(BAFTA) para realizar de uma série sobre os cientistas no início de 2001.

Na verdade, uma das coisas que me interessava sobre a história de David Hahn era que ele me fez lembrar dos pioneiros da ciência, que trabalhavam sem equipamentos de segurança. Sir Humphry Davy explodiu produtos químicos e queimou o rosto, por exemplo. Mas eu acho que a diferença é que David sabia os perigos do que estava correndo, mas optou por ignorá-los.

Além disso, o fato de eu estar fazendo um documentário educativo e científico levou-me à ideia de mostrar os detalhes das experiências de David com o recurso da sátira. O importante era mostrar da forma mais simples possível o que ele estava fazendo e a sátira é um bom recurso para isso. Era fundamental mostrar de forma simples para que fosse compreensível e verossímil, afinal trata-se de uma estória muito difícil de acreditar!

ImprensaBR: O filme já esteve em outros festivais? Quais?

Bindu Mathur: Não, está será sua primeira exibição em um festival de cinema e também no Brasil.

ImprensaBR: Já ganhou alguma premiação?

Bindu Mathur: Sim. Shortlisted for Directors Guild Award UK, and received positive reviews in The Times, The Telegraph, The Guardian and The Independent, The Daily Mail and Time Out.

Também descobri que o cineasta Duncan Jones (filho de David Bowie) foi influenciado por meu documentário quando fez o filme de ação e aventura de Hollywood ‘Source Code’, para criar o personagem de um terrorista home-grown.

ImprensaBR: É um filme com classificação indicativa de 10 anos, o que me leva a crer que é um filme que as crianças podem entender. Você dialoga diretamente com crianças e jovens no filme?

Bindu Mathur: Sim e o filme tem legendas para que as crianças consigam entender o filme.

ImprensaBR: Qual a grande mensagem que o filme quer transmitir?

Bindu Mathur: Não há uma mensagem no filme. É uma história incrível que eu tentei dizer de uma forma que o público tem de fazer a sua própria opinião.

Eu não estou dizendo que David estava certo ou errado; acho que o filme reflete isso. O mundo nunca é preto e branco.

ImprensaBR:O filme foi uma produção independente ou teve patrocínio para ser gravado?

Bindu Mathur: Foi patrocinado pelo Channel 4 do Reino Unido.

ImprensaBR: O que a trouxe ao Brasil? 

Bindu Mathur: Esta é uma estória engraçada. Eu me mudei para o Rio há oito anos. Moro em Santa Teresa, no Rio de Janeiro. Lembro-me de ter visto o cartaz para o Uranium Film Festival pensando que era uma ideia incomum para um festival e que deveria enviar-lhes o meu filme. Após muitos anos, finalmente procurei os diretores do festival e descobri que Marcia e Norbert são meus vizinhos. Mundo pequeno!

ImprensaBR: E por que está aqui até hoje? O que faz aqui em termos profissionais?

Bindu Mathur: Moro no Rio de Janeiro fazendo um projeto chamado ‘101 Curtas Sobre Rio’ (101 Short Films About Rio) www.101shortfilmsrio.com.

ImprensaBR:Você estará na sessão de seu filme durante o festival deste ano? Participará de algum debate após a sessão? 

Bindu Mathur: Sim, estarei em duas ocasiões: dia 15 de maio, às 15h, e dia 23 de maio, às 19h.

ImprensaBR: O que tem para dizer a respeito da era nuclear e como o cinema e a linguagem audiovisual podem ajudar a ensinar e a esclarecer as novas gerações sobre esta era?

Bindu Mathur: A estória de David Hahn reflete a Idade de Ouro da Ciência Nuclear – anos 1950 e 60. Era uma época em que não havia muito otimismo para essa tecnologia, para a energia. Os livros e informações que recebi foram a partir desta época, assim como os relógios de rádio e outras fontes radioativas.

ImprensaBR:Gostaria de comentar ou destacar alguma coisa que eu não perguntei?

Bindu Mathur: Apenas uma estória para compartilhar a respeito das filmagens. Houve um momento em que eu estava filmando e fiquei muito assustada com o David. Ele tinha uma coleção de relógios de rádio, e um especialista com quem falei disse que não seria bom dormir perto de um desses relógios. Então, David me mostrou sua coleção de talvez uns 15 relógios, sobre uma mesa frágil em seu porão, sem janelas. Eu estava realmente com medo de que a mesa pudesse quebrar e espalhar partículas e pedaços radioativos dos relógios para todos os lugares! Então, ele me deu um dos relógios – que valem muito dinheiro -, mas deixei o mesmo no escritório e nunca trouxe para casa.

 

Serviço

O que: Entrevista a documentarista Bindu Mathur, que terá seu curta ‘The Nuclear Boy Scout’ exibido na 4ª edição do Urânio em Movi(e)mento.

Onde: Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), Rio de Janeiro.

Quando: de 14 a 25 de maio de 2014.

Site do festival: www.uraniumfilmfestival.org

Curta a página do Urânio em Movi(e)mento no Facebook.

Mais informações à imprensa

Leonor Pelliccione Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

Imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

Baixe a entrevista.

Urânio em Movi(e)mento divulga hoje lista oficial de filmes para sua edição 2014

Festival de cinema acontece de 14 a 25 de maio na Cinemateca do MAM

A curadoria do Urânio em Movi(e)mentoInternational Uranium Film Festival divulga hoje a lista oficial dos filmes que serão exibidos em sua quarta edição. Ao todo, 63 filmes de 25 países, incluindo Japão, Alemanha, Estônia, Ucrânia, Rússia, EUA, Brasil, Argentina, entre outros, serão exibidos em dez dias de festival.

O 4 ᵒ International Uranium Film Festival – como é conhecido em suas mostras pelo mundo -, acontece de 14 a 25 de maio no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM).

Além da exibição dos filmes, realizadores estarão presentes em debates com o público e haverá uma exposição de telas do artista plástico argentino Claudio Gómez. O festival premia com o troféu ‘Oscar Amarelo’ os três melhores filmes eleitos por uma comissão julgadora composta de cineastas e pesquisadores de cinema e do tema energia nuclear.

Estudantes e pesquisadores que assistirem 12 horas de filmes durante o Festival (6 sessões), receberão Certificado de Participação. Basta chegar e assistir a sessão; não é necessário fazer inscrição prévia.

A programação completa do festival e a lista de filmes com suas respectivas sinopses já estão disponíveis no site http://www.uraniumfilmfestival.org/pt/.

Participe e convide seus amigos!

Urânio em Movi(e)mento – Uranium Film Festival tem apoio de: Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC), Escola Técnica Estadual Adolpho Bloch, Fundação Heinrich Boell Brasil, Associação Hibakusha Brasil pela Paz, O Movimento Falso Filmes, Armazém São Thiago, Cachaça Magnífica, Bar do Mineiro e Caffè Teichner.

Veja aqui a lista dos filmes do 4º Urânio em Movi(e)mento:

  1. 08:15 de 1945 de Roberto Fernández, Brasil/Argentina, 2012, 77 min, documentário, português.
  1. 11:02 de 1945 Retratos de Nagasaki de Roberto Fernández, Brasil/Argentina, 2014, 31 min, documentário, japonês, legenda português.
  2. 25 Jahre Tschernobyl: Leben Mit Einer Tragödie (25 anos de Chernobyl: Vivendo com a Tragédia) de Rüdiger Lubricht e Rainer Ludwigs,  Alemanha/Ucrânia, 2010, 27 min, documentário, alemão, legenda em português.
  3. A Woman From Fukushima de Yumiko Hayakawa, Japão, 2014, 56 min, documentário, japonês, legenda em inglês.
  4. A2-B-C de Ian Thomas Ash, Japão, 2013, 71 min, documentário, japonês e inglês, legenda em inglês.
  5. Abita. Children from Fukushima (Abita. Crianças de Fukushima) de Shoko Hara e Paul Brenner, Alemanha, 2012, 4 min, animação, sem diálogo.
  6. After All deBogna Kowalczyk, Polônia, 2013, 5 min, animação, sem diálogo.
  7. Beyond the Cloud de Keiko Courdy, França/Japão, 2013, 94 min, documentário, japonês e francês, legenda em inglês.
  8. Curiosity Kills (A Curiosidade Mata) de Sander Maran, Estônia, 2012, 14 min, ficção, sem diálogo.
  9. Eternal Tears (Lágrimas Eternas) de Kseniyva Simonova, Ucrânia,  2011, 11 min, animação, sem diálogo.
  10. Evolution of Beastliness (Evolução da Bestialidade) de Collective Work Chidren’s “Detective”, Rússia, 2013, 4 min, ficção, legenda em inglês.
  11. Friedlich in die Katastrophe (Silenciosamente para o Desastre) de Marcin El, Alemanha, 2012, 116  min, documentário, português.
  12. Green Cross International 20th Anniversary, 2013, Suíça, 1 min, animação, sem diálogo.
  13. Herr Hoppe and the Nuclear Waste (Sr. Hoppe e o Lixo Nuclear) de Jan Lachauer e Thorsten Löffler, Alemanha, 2011, 4 min, animação, sem diálogo.
  14. In My Lifetime: The Nuclear World Project de Robert E. Frye, EUA, 2011, 109 min, documentário, inglês, legenda em espanhol.
  15. Journey To The Safest Place On Earth de Edgar Hagen, Suíça, 2013, 100 min, documentário, alemão, legenda em inglês.
  16. Kern (Núcleo) de Szu Ni Wen e Yichen Huang, Alemanha, 2013, 9 min, animação, legenda em inglês.
  17. Nuclear Waste In My Backyard de Irja Martens, Alemanha, 2012, 29 min, documentário, alemão, legenda em inglês.
  18. Nuclear Winter (Inverno Nuclear) de Megan Taite, Jefferson Tolentino, Erwin Bonifacio, Robert Mullally, Shane Donohue, Jack Travers e Eimhin McNamara (diretor supervisor), Irlanda, 2012, 5 min, animação, sem diálogo.
  19. Radioactive Wolves de Klaus Feichtenberger, Austria, 2011, 52 min, documentário, alemão, legenda em inglês.
  20. Remote Viewing (Observação Distante) de Cris Ubermann, França, 2012, 5 min, vídeo arte, sem diálogo.
  21. SONG N°14 de Céline Troillet, França, 2011, 5 min, musical, sem diálogo.
  22. The Cloud Has Passed Over Us Üstümüzden Geçti Bulut. de Yaşar Arif Karagülle, Turquia, 2012, 15 min, ficção, legenda em inglês.
  23. The Horses of Fukushima de Yojyu Matsubayashi, Japão, 2013, 64 min, documentário, japonês, legenda em inglês.
  24. The Nuclear Boy Scout (O Escoteiro Nuclear)de Bindu Mathur, Reino Unido, 2003, 24 min, documentário, inglês, legenda em português.
  25. To Dig Or Not To Dig: The Battle For Greenland de Espen Rasmussen, Noruega, 2013, 8 min, documentário, dinamarquês e norueguês, legenda em inglês.
  26. To Whom It May Concern (A quem interessar possa) de Galina Laskova-Sanderson, Bielorrússia, 1990, 15 min, documentário, inglês, legenda em português.
  27. Wake Up  de David Bradbury,  Austrália, 2011, 12 min, documentário, inglês.
  1. Another Chernobylde Andrii Mykhailyk, Ucrânia, 2011, 56 min, documentário, ucraniano e russo, legenda em inglês.
  2. Atomic Africa: Clean Energy’s Dirty Secrets de Marcel Kolvenbach, Alemanha,2013, 52 min, documentário, legenda em inglês.
  3. Atomic Australia de Riccardo Russo, Itália, 2006, 6 min, documentário, inglês, legenda em italiano.
  4. B. de Adrian Regnier Chavez, México, 2012, 2 min, vídeo arte, russo, legenda em espanhol e russo.
  1. Beyond The Wave de Kyoko Miyake, Alemanha/Japão, 2013, 83 min, documentário, japonês, legenda em inglês.
  1. Explosions Bring Us Closer Together de Jonathan Johnson, EUA, 2010, 2 min, video arte, sem diálogo.
  2. Fallout de Lawrence Johnston, Austrália, 2013, 86 min, doc ficção, inglês.
  3. Fight For The Island – Punsu No Tao de Kolas Yotaka, Chang, Jia-Wei, Taiwan, 2013, 65 min, documentário, mandarin e tao, legenda em inglês.
  4. Final Picture de Michael von Hohenberg, Alemanha, 2013, 92 min, ficção, inglês.
  5. Flashes of Hope: Hibakusha Traveling The World de Erika Bagnarello, Japão/Costa Rica, 2009, 61 min, documentário, japonês, legenda em espanhol.
  6. Four Stories About Water de Deborah Begel e David Lindblom, EUA , 2012, 37 min, documentário, navajo, legenda em inglês.
  1. Fukushame. The Lost Japan de Alessandro Tesei, Itália, 2013, 64 min, documentário, italiano, legenda em inglês.
  2. Go South For Animal Index: A Fable of Los Alamos de Chris King. EUA, 2013, 90 min, ficção, inglês, legenda em inglês.
  1. H. de Adrian Regnier Chavez, México, 2013-2014, 8 min, vídeo arte, legenda em inglês.
  1. Hibakusha At The End Of The World de Hitomi Kamanaka, Japão, 2003, 116 min, documentário, japonês, legenda em inglês.
  2. Hogar, Hogar de Carlos Alonso Ojea, Espanha, 2013, 17 min, ficção, espanhol , legenda em inglês.
  1. Inheritance de Margaret Cox. Reino Unido, 2013, 10 min, documentário, inglês.
  1. Mining On The Swell de Michael T. Searcy, EUA, 2012, 18 min, documentário, inglês.
  2. Nuclear Savage: The Islands of Secret Project 4.1 de Adam Jonas Horowitz, EUA, 2012, 87 min, documentário, inglês, legenda em espanhol.
  1. Poison DUst (Armas de Urânio Empobrecido (DU) Radiativo no Iraque)de Sue Harris, EUA, 2005, 58 min, documentário, inglês, legenda em espanhol.
  2. Radiation Stories de Amudhan R.P., Índia, 2010, 54 min, documentário, tamil, legenda em inglês.
  1. Rare Earth deElizabeth Knafo. EUA, 2014, 54 min, documentário, inglês.
  1. Rocky Flats: Legacy de Scott Bison. EUA, 2011, 23 min, documentário, inglês.
  2. Sardinia’s Deadly Secret de Birgit Hermes, Itália/Alemanha, 2012, 30 min, documentário, alemão, legenda em inglês.
  1. The Myth Of Nuclear Deterrence de Erik Choquette, EUA, 2010, 6 min, animação, inglês.
  1. The Race For Uranium de Patrick  Forestier, França, 2009, 52 min, documentário, inglês.
  2. The University Of Nuclear Bombs de Mohamed Elsawi e Joshua King Ortis, EUA, 2010, 55 min, documentário, inglês.
  1. U: A Story About Uranium And Us de Shawn Arscott e Darlene Buckingham. Canadá, 2008, 39 min, inglês.
  2. Uranium: The Navajo Nuclear Legacy de Doug Brugge, EUA, 1997, 12 min, documentário, inglês.
  1. Warm – Glow de Marina Belobrovaja, Suíça, 2013, 50 min, documentário, alemão, legenda em inglês.
  2. When The Dust Settles de ICBUW e IKV Pax Christi,Inglaterra, 2011, 7 min, inglês, animação sobre o uso de urânio empobrecido na munição das armas modernas.
  3. Wyhl? Never – Resisting Against The Nuclear Power Plant Near The Kaiserstuhl  de Goggo Gensch, Alemanha, 2013, 44 min, documentário, alemão, legenda em inglês.
  4. Yellow Cake. The Dirt Behind Uranium (Yellow Cake. A Sujeira Atrás do Urânio) de Joachim Tschirner, Alemanha, 2010, 35 min, documentário, inglês, legenda em português.
  5. Yellow Fever. The Uranium Legacy de Sophie Rousmaniere, EUA, 2013, 56 min, documentário, inglês.
  6. Zeitbombe de Edward Saint Pe’, EUA, 2010, 27 min, ficção, inglês.

 

 

Serviço

O que: Relação de filmes do 4ª edição do festival de cinema Urânio em Movi(e)mento/ Uranium Film Festival.

Onde: Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), Rio de Janeiro.

Quando: de 14 a 25 de maio de 2014.

Site do festival: www.uraniumfilmfestival.org

Curta a página do Urânio em Movi(e)mento no Facebook.

 

Mais informações à imprensa

Leonor Pelliccione Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

Imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

Baixe o release.

 

Em maio, o MAM e o Rio de Janeiro vão falar sobre a Era Nuclear

cartaz uranium film festival 2014 in rio mam

Siga o festival de cinema Urânio em Movi(e)mento

Fique de olho em nossa Fan Page e em nosso site e acompanhe toda a programação da 4a edição do festival de cinema Urânio em Moviemento – Uranium Film Festival. Serão dez dias de festival, com 63 filmes de 25 países que enfocam a Era Nuclear como ponto principal.

Além da exibição dos filmes, realizadores estarão presentes em debates com o público e haverá uma exposição de telas do artista plástico argentino Claudio Gómez.

O 4 ᵒ International Uranium Film Festival – como é conhecido em suas mostras pelo mundo -, acontece de 14 a 25 de maio no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM). Domingo, 25 de maio, o festival encerra sua agenda 2014 na cidade maravilhosa com a tradicional premiação para os melhores filmes do ano: o ‘Oscar Amarelo’.

A fim de incentivar jovens, estudantes e comunidade científica a participarem do festival e do debate acerca da questão nuclear que ele propõe, os organizadores do Urânio em Movi(e)mento darão a estudantes e pesquisadores que assistirem 12 horas de filmes  durante o Festival (6 sessões), um Certificado de Participação. Basta chegar e assistir a sessão; não é necessário fazer inscrição prévia.

A programação do festival é vasta é há filmes para todas as idades.  Confira a classificação indicativa dos filmes no site http://www.uraniumfilmfestival.org/pt/, participe e convide os amigos.

Serviço

O que: 4ª edição do festival de cinema Urânio em Movi(e)mento/ Uranium Film Festival.

Onde: Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), Rio de Janeiro.

Quando: de 14 a 25 de maio de 2014.

Site do festival: www.uraniumfilmfestival.org

Curta a página do Urânio em Movi(e)mento no Facebook.

Mais informações à imprensa

Leonor Pelliccione Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

Imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

Baixe o release.

 

Urânio em Movi(e)mento no Portal UOL

Clipping Mercado Ético UOL

Cinemateca do MAM recebe 4ª edição do Urânio em Movi(e)mento

cinemateca do mam

Uma das mais importantes e tradicionais cinematecas da América Latina – a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro -, será a sede do Urânio em Movi(e)mento/ International Uranium Film Festival, festival de cinema voltado para a temática ‘urânio e energia nuclear’, que há quatro anos acontece na sala de cinema do MAM.

Este ano, o Urânio em Movi(e)mento acontecerá de 14 a 25 de maio com uma programação repleta de atividades. Ao todo, 63 filmes de 25 países serão exibidos em três sessões diárias. Haverá debates com realizadores e uma exposição de quadros do artista plástico argentino Claudio Gómez, que estará no MAM dia 23 especialmente para falar da integração do seu trabalho ao tema abordado pelo festival. Veja os filmes do Urânio em Movi(e)mento e respectivas classificações indicativas na programação completa disponível no site http://www.uraniumfilmfestival.org/pt/.

Credenciamento da imprensa para cobertura do festival

Jornalistas interessados em cobrir o Urânio em Movi(e)mento, ou entrevistar seus diretores devem enviar um email para assessoria de imprensa do festival – ImprensaBR Assessoria de Comunicação -, (imprensabr@gmail.com), cadastrar o veículo para o qual escreve e solicitar seu Press Pass.

 

Serviço

O que: 4ª edição do festival de cinema Urânio em Movi(e)mento/ Uranium Film Festival.

Onde: Cinemateca do Museu de Arte Moderna (MAM), Rio de Janeiro.

Quando: de 14 a 25 de maio de 2014.

Site do festival: www.uraniumfilmfestival.org

Curta a página do Urânio em Movi(e)mento no Facebook.

Mais informações à imprensa

Leonor Pelliccione Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

Imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

 Baixe o release.

 

Urânio em Movi(e)mento divulgará lista completa dos filmes que serão exibidos em sua edição 2014, dia 26 de abril, 28 anos depois do acidente nuclear na usina de Chernobil

Festival acontecerá de 14 a 24 de maio na Cinemateca do MAM

cavalos de fukushima

Como forma de não deixar cair no esquecimento o maior acidente nuclear da história, os diretores do Urânio em Movi(e)mento – festival de cinema que tem como principal tema a energia nuclear -, divulgarão a relação completa dos filmes da quarta edição do festival, que acontecerá entre  14 e 24 de maio na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio, no próximo dia 26, data do acidente na usina de Chernobil, Ucrânia, há 28 anos.

O festival já divulgou uma lista com dez filmes da edição deste ano, que pode ser vista no site http://www.uraniumfilmfestival.org/pt/.

Consolidando-se como o mais importante evento audiovisual sobre energia nuclear e radioatividade do mundo, o Urânio em Movi(e)mento (International Uranium Film Festival fora do Brasil – o projeto roda o mundo; neste momento está na Índia com uma mostra que segue até 21 de abril), apresentará, ao longo de onze dias, uma vasta seleção de curtas, médias e longas-metragens vindos de diversos países. Uma rica produção de documentários, animações, filmes experimentais. Os filmes da edição 2014 já divulgados no site são uma breve apresentação do que o festival deste ano levará às telas.

Acompanhe mais sobre o Urânio em Movi(e)mento na página e no site do festival.

CURTA a Fan Page: https://www.facebook.com/uranioemmovimento?ref=hl

Visite o site: http://www.uraniumfilmfestival.org/pt/

 

 

Serviço

Divulgação dos filmes da 4ª edição do Festival de Cinema Urânio em Movi(e)mento.

Quando: 26 de abril de 2014

Onde: www.uraniumfilmfestival.org

Foto de divulgação do release: Cartaz do filme Cavalo de Fukushima, de Yojyu Matsubayashi, que será exibido este ano no festival.

 

Mais informações à imprensa

Leonor Bianchi

ImprensaBR Assessoria de Comunicação

imprensabr@gmail.com

55 22 99253-3903/ 55 22 99903-8733

Baixe o release.